O paraíso encontrado: uma viagem pelo Norte do Sri Lanka

Formámos uma parceria com a escritora e fotógrafa local Natalie Soysa, que viaja vez após vez ao Norte da sua ilha. Aqui ela fala-nos das suas razões pelo regresso contínuo a esta parte da ilha que permanece livre da massa de pessoas que é característica do turismo no Sri Lanka.

O Norte está a despertar

Esperemos que a nova geração de nortenhos viva em paz e progresso após décadas de destruição © Natalie Soysa

Já faz demasiado tempo que o Sri Lanka tem o hábito de vender o clichê sulista.

Uma linha de coqueiros delineia a ilha e estende-se por dias, enquadrando perfeitos pores do sol. Bares de praia, lojinhas de rua que vendem páreos em cores extravagantes e trechos intermináveis de praias cheias de gente. No entanto, há mais que isto no Sri Lanka.

Uma guerra de 30 anos levou a que uma grande porção do Norte do Sri Lanka ficasse isolada do resto da ilha. Isto significava que, durante muito tempo, os viajantes não podiam ter a experiência completa da ilha, mas isso já não é o caso. Após o fim da guerra, o Norte juntamente com o completo turismo no Sri Lanka, tem estado em reconstrução e, lentamente, a despertar após décadas de destruição.

O Norte não é comercializado como o Sul e isso é uma coisa boa. Aqui, ainda não foram postos à margem, os velhos Deuses nem as velhas maneiras. A vida é um pouco mais simples, a paisagem é mais rica e praticamente intocada.

Não dá para ignorar os novos edifícios e as construções maníacas que se passam nas cidades, mas não deixes isso enganar-te. Os nortenhos são gente tranquila que se move a um ritmo meditativo. Há aqui uma calma que não encontras em mais parte alguma.

O Norte não tem ofertas especialmente concebidas para o turista e não tens outra escolha senão fazer o que fazem os habitantes locais. Vai para outro lugar ou região – dentro do turismo no Sri Lanka – pagar por uma experiência, mas vem para o Norte para a viver. As excentricidades, a cor e os curiosos costumes aqui não têm preço.

Manhãs bonitas

Mulheres de sari a ver o sol nascer © Natalie Soysa

O Sul é famoso pelos seus pores do sol, mas vai para o Norte para veres manhãs fantásticas. Levanta-te cedo para fazeres turismo no Sri Lanka e absorva o amanhecer nortenho. Aqui os dias passam sem pressa, bem como as pessoas.

Jaffna, em tempos o grande epicentro cultural do Norte, ganha vida com os primeiros raios de sol do dia. As mulheres passeiam trajadas em saris coloridos como aves tropicais; os restaurantes vegetarianos abrem cedo, com remessas frescas de vadai (salgados fritos) e thosai (crepes de farinha de arroz). Alguns dos melhores crepes são cozinhados na perfeição, no barato e autêntico Malayan Café, que encontras no nº36 da Power House Road no distrito do mercado.

Cedinho pela manhã, os cantos ecoam pelas caixas de som destes restaurantes trazendo pessoas e inclusive o gado até à porta.

Trabalho de amor

Um artesão no seu atelier em Jaffna © Natalie Soysa

Aqui as coisas funcionam à moda antiga e é um encanto.

A era industrial chegou ao resto do Sri Lanka há muito tempo atrás, mas aqui é difícil encontrar coisas produzidas em massa industrialmente. Gerações de artesãos continuam a forjar estátuas, esculpir ornamentos e a fazer artesanato, melhor descrito como o trabalho do amor.

Os lenços coloridos da costa sul são substituídos por tapetes vibrantes e réplicas em cobre de Deuses vivos. Passa por um dos ateliers numa tarde movimentada para veres estes homens já de idade avançada a trabalhar. Não precisas de perceber a língua para aproveitares as melhores partes, desta que é ainda uma atividade que faz parte do turismo no Sri Lanka, mas que ao mesmo tempo, é restrita à somente o Norte.

Alojamento genuíno

Tal como as pensões, a Biblioteca Pública de Jaffna é uma lembrança do passado colonial

Se estás à procura de luxo e conforto, no Norte encontras pouco. As ruas estão mortas às 8 da noite e a vida noturna é inexistente. Jaffna, a maior cidade do Norte, tem um cinema 3D que mostra sobretudo blockbusters em Tamil (língua local). Há um ou outro hotel mais sofisticado mas o que há mais são pensões genuínas, que se têm tornado lentamente um elemento típico da experiência de Jaffna. Com toques de arquitetura portuguesa pintada em cores vibrantes, estas opções de alojamento colonial como a pensão familiar Sarras, vêm completas com jardins e claraboias no centro da casa.

Hotéis em Jaffna

Negócio de burros

Burros e humanos vivem lado a lado na Ilha de Mannar. Algo característico do turismo no Sri Lanka para esta localização © Natalie Soysa

Se quiseres ver a tua quota de burros de uma vida inteira em escassos minutos, vem até à Ilha de Mannar. Localizada na costa noroeste, a ilha está repleta de gente que vivem em casas extraordinariamente coloridas. Aqui, é também onde o Sri Lanka fica mais próximo da Índia, as duas nações ligadas eternamente por uma ponte de proporções míticas como conta a anciã epopeia em sânscrito, o Ramayana.

Mas de volta aos burros. Trazidos para a ilha por comerciantes árabes na era da rota das especiarias e usados para transportar bens exóticos de e para cidades no interior, os burros tiveram um papel fundamental em dar a Ceilão – o nome do Sri Lanka durante o governo britânico – o seu estatuto como crucial localização para o comércio internacional ao longo da história. Eventualmente, os burros foram abandonados, criando uma nova população residente na zona. Podes encontrar centenas de gatos, cães e gado na ilha, mas em Mannar, os animais rafeiros tendem a zurrar.

Saltar de ilha em ilha

Mannar não é a única ilha anexada ao Norte. Só a península de Jaffna, é o lar de uma série de ilhas com nomes que delatam a história diversa da região. Em Nagadeepa verás a congregação de devotos no templo budista ancião, Keerimalai que na península é conhecido pelas suas termas naturais, localizadas literalmente na ponta do oceano. Depois há o Karaitivu com a sua longa e bonita praia Casuarina e, claro, a remota Ilha Delft habitada por cavalos selvagens.

Se puderes, passa cada dia numa ilha diferente. Cada é um lar para templos antigos e costumes ainda mais antigos. Os templos hindus estão lado a lado com fortes portugueses, pessoas trabalham em salinas sob o sol abrasador e um calor que persiste ao longo de vários dias. Mas por cada tarde de calor insuportável, chega uma brisa matinal para te ajudar a esquecer o dia anterior.

Paisagens de palmeiras

Uma silhueta de palmeiras © Natalie Soysa

A primeira coisa em que vais certamente reparar são as paisagens do Norte e a sua qualidade extraterrestre. Quanto mais viajares, mais vais notar as filas infindáveis de coqueiros que se transformam em silhuetas, dando forma a um panorama nú. Os habitantes locais dão tanto uso às palmeiras como a população do Sul dá aos cocos. O seu fruto, caule, resina e folhas são utilizados para manufaturar vários produtos que podem ser vendidos a quem faz turismo no Sri Lanka. Eles vão desde doces a carteiras – e uma bebida local chamada ‘toddy’ que é uma especialidade do Norte.

Um paraíso pessoal

Não se vem ao Norte em busca de algo óbvio. Antes pelo contrário, vem-se para fugir disso mesmo e o que se ganha é uma experiência verdadeiramente única. Seria uma injustiça ignorar que esta parte do país foi totalmente devastada durante três décadas. As cicatrizes da guerra entre o LTTE e o governo do Sri Lanka continuam visíveis. Mas os nortenhos persistem. Aliás, elevam-se. O Norte do Sri Lanka não é um destino para grupos, aqui vem-se um de cada vez ou em pares. Aqui, o paraíso torna-se numa coisa pessoal, onde te submerges em algo bonito e autêntico assim que chegas.

Voos baratos para Sri Lanka
Hotéis no Sri Lanka

Chegar a Jaffna de Colombo

De Colombo, podes ir de carro até Jaffna (cerca de 12 horas), de comboio (9 a 10 horas) ou de voo comercial da Base da Força Aérea de Ratmalana até à Base da Força Aérea de Palaly perto de Jaffna.

Curioso sobre outros lugares para fazer turismo no Sri Lanka? Espreita um dos mais bonitos hotéis de ecoturismo no mundo nos pantanais do Sri Lanka, e na costa sul encontras os melhores destinos para apanhar ondas 
Relacionado
Passadiços em Portugal: 7 passadiços de Norte a Sul
— 9 mins de leitura

Passadiços em Portugal: 7 passadiços de Norte a Sul

A Rota do Românico no Norte de Portugal
— 9 mins de leitura

A Rota do Românico no Norte de Portugal

Termas de Portugal: as 6 melhores termas de Norte a Sul
— 8 mins de leitura

Termas de Portugal: as 6 melhores termas de Norte a Sul