25 dicas essenciais para viajar com crianças

Vais viajar com crianças? Evita as birras e vai preparado com estas 25 dicas essenciais.

É possível!

Categoria Dicas & truques

Data 09/12/2015

Não importa se é a tua primeira viagem com o teu primeiro filho, ou a quinta com o quinto, viajar com crianças nunca é tarefa fácil. Desde fazer as malas à viagem em si, as potenciais preocupações são imensas.

Em todo o caso, existem alguns métodos que te podem ajudar a preparar, e evitar que enlouqueças. Aqui tens as 25 melhores dicas para viajar com crianças. Algumas são para bébés, outras para crianças mais velhas, outras para ti.

1. Arrisca…

Embora a ideia de viajar com crianças te possa parecer desencorajante, a coisa mais importante a lembrar é: vais adorar e vais-te lembrar para sempre.

2. Vai devagarinho

Isto podias ser tu
Isto podias ser tu…

Podes estar habituado a sair a correr do avião e a atravessar o aeroporto o mais depressa possível, usando todos os teus atalhos secretos, mas esses dias chegaram ao fim. Fica sentado e deixa que outros sejam os apressados. Descansa – já não és tu que mandas.

3. Não leves bagagem a mais

Lembra-te que praticamente tudo pode ser comprado no teu destino. Pode não ser da mesma marca, mas dá para desenrascar. As fraldas são frequentemente uma preocupação já que as marcas 100% ecológicas podem ser difíceis de encontrar. Se estás habituado a usar uma destas marcas, experimenta fazer um teste com uma marca diferente antes de partir para ver se o teu bebé tem alguma reacção adversa.

4. Hotel ou casa de férias?

Os hotéis têm as suas vantagens (serviço de quarto, refeições, serviços de baby-sitting, etc.), mas alugar uma casa de férias significa que te podes sentir em casa – e preparar as tuas próprias refeições, o que pode ser mais prático se o teu filho tiver uma dieta especial. É uma escolha pessoal, mas vale a pena pensar no assunto.

Ler mais: Classificação por estrelas de hotéis – o que significa realmente?

5. Faz uma reserva sensata

Se decidires ir pela opção do hotel, demora o teu tempo a fazer a reserva. Podes escolher um onde já tenhas ficado de que gostaste, mas pensa bem. O teu quarto era no topo de uma colina? Havia muitos degraus? Aquilo que terá sido um perfeito paraíso para dois pode facilmente tornar-se num autêntico pesadelo quando tens de carregar com um bebé e um carrinho.

6. Marca-os e monitoriza-os!

Ele não está perdido - são os pais que estão perdidos!
Ele não está perdido – são os pais que estão perdidos!

Se estás preocupado com perder os teus filhos de vista, podes escrever o teu nome e número de telefone nos seus braços. Dessa forma, se eles forem encontrados, podes ser contactado facilmente. Também podes investir num aparelho de monitorização por GPS. Prende-o ao pulso ou à mochila do teu rebento, e segue-o através da aplicação.

7. Piscina ou mar?

Mesmo que tenciones ficar ao pé da praia, talvez queiras certificar-te de que há também uma piscina. Muitas crianças adoram o mar, mas há outras que não o suportam. Uma piscina é o lugar ideal para os mais pequeninos brincarem, se refrescarem e se cansarem.

8. Carrinho, alcofa ou pano porta-bebé

Este é um dilema comum quando se vai de férias com crianças e não há uma resposta fácil. Depende muito do teu destino. As ruas vão ser pavimentadas e uniformes ou serão acidentadas, com buracos? Vai estar frio ou extremamente húmido? A que é que o teu filho está habituado?

Um bom compromisso é um carrinho leve. São fáceis de transportar e podem ser levados até à porta de embarque; podem ser usados como camas temporárias para uma sesta; são leves e respiráveis mas também podem ser isolados com cobertores e impermeáveis; e servem para quase todos os terrenos.

9. Cadeirinha para o carro ou não?

Há quem não queira outra coisa, enquanto outros acham uma perfeita loucura levar um objecto tão grande tendo em conta as poucas vezes que vai ser utilizado. É necessário um lugar adicional no avião, mas depois podes usá-la em qualquer tipo de carro. Se decidires que vais realmente levar uma, talvez valha a pena investir numa cadeirinha que se transforma em carrinho para não teres de carregar com ainda mais peso.

10. Sê prudente a fazer as malas

Paz e sossego
Paz e sossego

O teu saco de fraldas vai contar como a tua bagagem de mão, por isso certifica-te de que tens tudo o que precisas (considera também a possibilidade de atrasos nos voos): toalhetes; chuchas suplentes; fraldas; um lanche (mas não cheio de açúcar! No entanto, vale a pena levar alguns rebuçados para ajudar com as alterações de pressão durante a descolagem e aterragem); uma muda de roupa; sacos de plástico (para fraldas e roupa suja); auscultadores; brinquedos; uma almofada; pilhas; tablet ou leitor de DVD; e mais toalhetes.

Se ainda tiveres espaço, enche-o de toalhetes – vais precisar.

Ler mais: 21 conselhos práticos para viagens

11. Comida de bebé

Muitos aeroportos permitem que se passe na segurança com leite e comida de bebé em quantidades superiores a 100ml. É normal que abram os recipientes para verificar o conteúdo, mas é um processo rápido e não contamina de forma nenhuma a comida. Vale a pena confirmar com o aeroporto para onde viajas, só para ter a certeza.

12. Planeia os teus voos

Tenta marcar os teus voos à volta da hora do ir para a cama. Os voos nocturnos podem ser mais caros, mas se estás à procura de simplicidade, uma criança a dormir é uma bênção para todos. Se tiveres um voo de ligação, certifica-te de que tens tempo que chegue – a última coisa de que precisas é de ter de fazer uma corrida por um aeroporto desconhecido.

Tenta, tanto quanto possível, fazer com que a viagem faça parte das férias. Demorem o vosso tempo, estiquem as pernas, façam as habituais idas à casa-de-banho, comam, conversem, brinquem, e preparem-se para o próximo voo. E não te esqueças que a melhor altura para marcar voos baratos é com 53 dias de antecedência.

13. Pesquisa o teu destino

Se estás a amamentar, vale a pena fazer uma pesquisa no Google para perceber se dar de mamar em público é aceitável no sítio para onde vais. Há países onde não tem problema absolutamente nenhum, outros onde terás de te deslocar para um lugar mais privado. Se tiveres dúvidas quando lá estiveres – pergunta.

14. Pesquisa, pesquisa, pesquisa!

Esta é válida tanto antes como durante a viagem. O teu bebé precisa de um visto? São precisas vacinas? Precisas de levar medicamentos, por exemplo comprimidos para a malária? Não queres ser apanhado desprevenido à última da hora.

15. Onde te sentas?

Onde te podes sentar num avião com uma criança pequena depende às vezes do modelo do avião: alguns só têm máscaras de oxigénio suplentes por cima de determinados lugares. Contudo, nem todos são assim, por isso confirma com a linha aérea, e pára para pensar um bocadinho sobre qual lugar seria o melhor para ti.

Ficares sentado no final do avião significa que vais incomodar menos gente. Significa também que podes levantar-te e ter espaço para passear, e estás perto das casas-de-banho. Por outro lado, às vezes as cadeiras não reclinam inteiramente, e as traseiras do avião podem ser barulhentas.

Deviam fazer destes para adultos!
Deviam fazer destes para adultos!

A zona do meio do avião dá-te a opção de usares os lugares por trás das divisórias do avião. Isto significa não só mais espaço para as pernas – e portanto mais chão para brincar – mas também a possibilidade de um berço (se o avião tiver um). No entanto, significa também que não terás espaço de armazenamento debaixo do lugar à tua frente.

Ficar sentado na frente é semelhante às traseiras, embora tenhas tipicamente menos espaço e mais movimento. Outra coisa a considerar é que depende muito da idade do teu filho: janela ou corredor? É melhor tê-lo bem aninhado ou com espaço para se movimentar facilmente?

16. Faz um ensaio geral

Pode ser fazer as malas e ir até ao aeroporto – ou até onde conseguires – e é tanto para teu bem como para o teu filho. Os aeroportos são grandes e movimentados, e o teu filho pode sentir-se aflito. Começar a habituá-lo lentamente à ideia poderá ajudar chegado o grande dia. E considera uma viagem curta na Europa para começar, antes de te aventurares num voo transcontinental de 8 horas.

17. O low-cost vale a pena?

Embora seja tentador usar companhias aéreas low-cost agora que tens uma família, lembra-te que estas voam frequentemente para aeroportos remotos, o que pode significar mais tempo de viagem. Pode valer a pena esquecer as companhias low-cost e pagar um bocadinho mais pela conveniência e paz de espírito (para não falar de que a diferença de preço, depois de incluíres o transporte extra do aeroporto longínquo até ao centro da cidade, é muitas vezes mínima).

18. Tempo no aeroporto – faz o check-in online

Tenta minimizar o tempo que passas em filas de espera uma vez chegados ao aeroporto. Uma das coisas mais fáceis a fazer é o check-in online, depois só tens de depositar as malas de porão e passar pela segurança. Há muitas vezes uma área para famílias no controlo de segurança, por isso sabes que toda a gente à tua volta está no mesmo barco; ou melhor dizendo avião?

19. Vai com tempo de sobra

Embora queiras minimizar o tempo que passas em filas, não vais querer certamente estar com pressa. Sai de casa com horas de sobra – se chegares rapidamente ao aeroporto, usa a zona infantil para cansar os miúdos: quanto mais energia gastarem em terra, menos terão no ar.

Ler mais: Os 10 melhores aeroportos do mundo

20. O que é que poderia correr mal?

Antes de ires, faz uma lista de tudo o que poderia correr mal, desde caos total durante a viagem a perder o próprio voo, e escreve como lidarias com cada eventualidade. Considerar as situações antes de elas acontecerem pode deixar-te mentalmente preparado – nunca se sabe!

21. Explica a viagem

"Quanto tempo é que falta?"
“Quanto tempo é que falta?”

Se é a primeira vez que o teu filho vai voar ou viajar em geral, explica-lhe o que vai acontecer e quando – como ter de apertar o cinto de segurança e porquê. A maior parte dos miúdos acha que andar de avião é divertido, por isso o melhor que podes fazer é incentivá-los. Afinal, é uma aventura!

22. Planeia – mas não demasiado

Queres manter o teu filho entretido, mas não queres que a viagem inteira seja prescrita. Em vez de reservares dezenas de excursões, tem-nas escritas – ou organiza-te com uma app. Os guias de cidade momondo places estão disponíveis para 14 cidades, com mais de 200 sugestões, organizadas por cores que simbolizam modos de estar como família, social e local. São também completamente gratuitos, e têm mapas offline por isso não tens de te preocupar com roaming.

23. Assistência e acompanhamento

Averigua se a tua companhia aérea ou aeroporto fornecem um serviço de assistência e acompanhamento. Nem todos o têm, mas muitos estarão prontos para te ajudar, desde o embarque à chegada. Se viajas sozinho com uma criança ou com mais de uma, ou se esta é a tua primeira viagem de avião com crianças, estes serviços podem fazer toda a diferença!

24. Mantém a calma

Se o teu filho decidir escolher a pior altura possível para se transformar num monstro birrento, respira fundo e tenta manter a calma.

Ler mais: Como deixar o stress das férias em casa

25. Disfruta

Sabe o que levar, sai com tempo, e faz do tempo de viagem parte das férias. Lembra-te que vai correr tudo bem, e é suposto estares a divertir-te!

 

Sentes-te preparado? Visita o blog da momondo para mais conselhos de viagem.

Publicado

09/12/2015