Previsão da indústria do turismo: as tuas próximas férias vão sair mais caras?

Descobre o que é que está a mudar nos preços de voos, transporte e alojamento com as nossas previsões para a indústria do turismo em 2017.

Para onde irás no próximo ano? Descobre o que está a mudar na indústria do turismo à volta do mundo
Para onde irás no próximo ano? Descobre o que está a mudar na indústria do turismo à volta do mundo

Alguma vez quiseste saber o futuro? Não podemos fingir ser videntes, mas podemos revelar as últimas tendências de viagem e projecções de turismo para 2017 com base em investigação líder de indústria. Se tens curiosidade em saber como é que as flutuações em preços de voos e hotéis poderão afectar os teus planos de viagem no ano que vem, aqui tens a informação privilegiada em primeira mão.

Apresentamos-te os principais achados no que respeita a companhias aéreas, transporte terrestre e hotéis em cada continente para te mostrar as maiores previsões para a indústria do turismo em 2017 e mais além. Estas tendências de viagem têm base no ‘2017 Industry Forecast’ feito pela Advito, uma importante empresa de consultoria de viagem especializada em viagem empresarial e gestão de custos e reuniões.

Europa

 A pensar em fazer uma viagem a Londres? Fica atento à subida de preços de hotéis

A pensar em fazer uma viagem a Londres? Fica atento à subida de preços de hotéis

Boas notícias para quem viaja com um orçamento curto! Apesar de recentes preocupações económicas e políticas na região, os viajantes europeus podem esperar um mercado de viagem estável e um aumento nos voos e alojamento económicos.

Muitas companhias aéreas ‘low-cost’ irão continuar a oferecer preços atractivos no próximo ano, o que fez com que as companhias maiores aumentassem os seus esforços para desenvolver as suas próprias companhias ‘low-cost’, como a Eurowings da Lufthansa ou a Transavia da KLM.

Curiosamente, marcar voos de longa duração que fazem escala no Médio Oriente ou em Istambul é uma forma muito mais económica para os europeus viajarem. Isto deve-se ao facto de muitas companhias aéreas europeias estarem a perder a sua quota no mercado face a companhias do Médio Oriente que operam frequentemente aviões mais novos e maiores, com capacidade para transportar mais passageiros a preços muito mais baixos.

Embora os preços de hotel tenham aumentado consistentemente em grandes cidades como Londres, Amesterdão e Zurique, as boas notícias são que há também cada vez mais opções económicas, como os AccorHotels Ibis e o Motel One.

América do Norte

 A pensar em Miami Beach? Considera comprar bilhetes separados em vez de um voo por múltiplas cidades

A pensar em Miami Beach? Considera comprar bilhetes separados em vez de um voo por múltiplas cidades

Os voos dentro dos Estados Unidos e Canadá estão a testar um modelo “pagas por aquilo que recebes”. As “Big Three” (American, Delta e United) estão a competir com as companhias ‘low-cost’ não só com a substituição de aviões antigos por versões novas, mas também com a introdução de tarifas básicas que não incluem lugares marcados, bebidas gratuitas ou alterações de itinerário gratuitas.

Diz adeus à lata inteira de Coca-Cola! O estudo concluiu também que comprar um voo com escalas, como de Nova Iorque a Miami e depois de Miami a Los Angeles é geralmente mais caro que comprar dois voos separados.

Enquanto as companhias aéreas norte-americanas continuam a oferecer voos a preços baratos, prevê-se que os preços de hotel nos Estados Unidos, por outro lado, aumentem 5-6%. Para além disso. há cada vez mais cadeias de hotéis a adoptar novas estratégias gerenciais como a imposição e taxas de resort, bem como taxas de cancelamento ou alteração de reserva.

América Latina

A gente reúne-se no Malecón, o ponto de encontro de Havana

A gente reúne-se no Malecón, o ponto de encontro de Havana

Cuba é o verdadeiro conto da Gata Borralheira. Esta ilha-nação tem visto um aumento de visitantes estrangeiros neste último ano em parte devido aos 20 voos diários dos Estados Unidos. Está previsto que mais seis companhias ganhem autorização para voar até outras nove cidades cubanas, talvez até já no próximo ano.

No lado oposto do espectro, o Brasil e a Venezuela não tiveram tanta sorte. Ambos os países têm visto uma descida significativa na procura de voos regionais devido a problemas políticos e económicos. Os viajantes em negócios terão especial dificuldade em chegar à Venezuela, já que várias companhias aéreas tencionam retirar-se do mercado.

A procura de hotéis também desceu, excepto na Colômbia. Enquanto as cadeias de hotéis locais dominam o mercado na América Latina, as cadeias internacionais também começam a mostrar interesse na região por isso é esperado que surjam alguns nomes conhecidos no futuro próximo. Os hotéis existentes estão a tomar nota e a actualizar os seus estabelecimentos com melhorias como Wi-Fi mais consistente e novos centros de negócios.

Médio Oriente

 Várias companhias aéreas baseadas no Médio Oriente estão a aumentar as suas rotas para a Ásia e os Estados Unidos em 2017

Várias companhias aéreas baseadas no Médio Oriente estão a aumentar as suas rotas para a Ásia e os Estados Unidos em 2017

Enquanto os viajantes se continuarem a sentir confiantes da sua segurança nos Estados do Golfo e redondezas, a procura por alojamento no Médio Oriente continuará a crescer, resultando num aumento de 2-4% nos preços de hotel. Enquanto a maioria dos hotéis que tem surgido pertence à categoria de hotéis de luxo, as alternativas de alojamento como casas e apartamentos partilhados estão também a atrair cada vez mais negócio.

No que toca ao céu, a Emirates, a Qatar e a Etihad continuam a expandir as suas frotas na Ásia e nos Estados Unidos, por isso os viajantes podem contar com mais rotas entre estas regiões em 2017. De momento, os preços de voos para o Irão estão especialmente altos devido à alta procura e oferta limitada. Contudo, os preços deverão baixar à medida que as companhias aéreas começam a regressar ao mercado.

A British Airways e a Air France já iniciaram rotas para grandes cidades como o Teerão. Os viajantes em negócios dentro do Médio Oriente poderão notar um pequeno aumento nos preços de voos para outros destinos do Médio Oriente ou para a Oceânia.

A inauguração do primeiro comboio de alta velocidade na Arábia Saudita está prevista para 2018, por isso os visitantes terão de esperar mais um ano se quiserem um bilhete para a rota Meca-Jeddah-Medina. Projecta-se que vá transportar mais de 50 milhões de passageiros por ano.

Ásia

 O movimentado distrito de Dōtonbori em Osaka é destino de eleição entre turistas

O movimentado distrito de Dōtonbori em Osaka é destino de eleição entre turistas

Com as viagens de lazer em crescimento pela Ásia, estão a aumentar as rotas directas. As companhias aéreas também irão continuar a manter os preços baixos através de grandes descontos e preços promocionais simplesmente para baixar os preços e consequentemente encher mais lugares.

A lei 5/20 na Índia, que impedia que uma companhia aérea lançasse rotas internacionais antes de estar em operação por cinco anos e ter pelo menos 20 aviões, irá relaxar e é expectável que os preços baixem à medida que estas companhias expandem a nível internacional nos próximos anos.

O Japão é o hotspot para viajantes internacionais, vendo não só um aumento nas visitas estrangeiras, mas também um surto de 14% nos preços de hotel no último ano que se prevê continuar. À semelhança disto, os preços de hotel na Malásia e nas Filipinas também devem subir entre 2-4%.

Em comparação com a Europa ou a América do Norte, as apps para apanhar boleia locais dominam a Ásia. Empresas como a Didi Chuxing, a Ola e a Grab estão a ganhar popularidade e estão disponíveis em centenas das grandes cidades na região. Para quem prefere viajar de comboio, estão previstas surgirem novas rotas de alta velocidade na China, no Japão, em Taiwan e na Coreia do Sul.

África

 Não há melhor forma de ver a África do Sul do que com uma road trip pelo país inteiro

Não há melhor forma de ver a África do Sul do que com uma road trip pelo país inteiro

Se estás a planear a derradeira viagem através de vários países africanos, toma em conta que voar dentro do continente vai continuar a ser relativamente caro. Isto deve-se ao serviços limitados e variados desafios como custos de operação altos e companhias aéreas excessivamente reguladas. Embora se preveja que os preços se mantenham altos, não está projectado um aumento maior que 1%, se houver algum.

Se estás à procura de uma alternativa a voar, fica à coca de empresas locais tipo-Uber como a Taxify, a Mondo Ride e a Afro, para mencionar algumas. Estas apps oferecem preços mais baixos com uma melhor compensação para o condutor numa tentativa de competir com as grandes empresas, nomeadamente a Uber.

O aluguer de carro está facilmente disponível ao longo da África do Sul, fazendo com que uma road trip pelo país seja uma óptima opção para os aventureiros; no entanto, o aluguer de carro tradicional não é muito popular fora da África do Sul e não mostra sinais de aumentar.

Oceânia

 Os surfistas dirigem-se para as margens arenosas da Bondi Beach em Sydney

Os surfistas dirigem-se para as margens arenosas da Bondi Beach em Sydney

Com as suas grandes cidades, praias que nunca mais acabam e tempo ameno o ano inteiro, quem não gostaria de explorar todos os cantos da Austrália? Ninguém, ao que parece. Os voos domésticos à volta do país estão mais cheios que nunca e os preços médios de bilhetes estão a aumentar ligeiramente.

Os preços de hotel também voltam a aumentar à volta de 2-4% pelo país, com Sydney vendo um aumento ainda maior comparada a outras cidades. Por falar em Sydney, as taxas de ocupação dos hotéis raramente estiveram abaixo dos 90% no ano passado, por isso se estás a pensar em fazer uma viagem até lá, pode ser boa ideia marcar alojamento com bastante antecedência.

A tendência é semelhante na Nova Zelândia, com um aumento de 4-6% projectado para preços de hotel à volta do país.

As companhias aéreas chinesas estão a criar novas rotas tanto para a Austrália como para a Nova Zelândia e a concorrência entre companhias irá provavelmente resultar em preços de voos mais baixos. Muitas das novas rotas são a partir de cidades chinesas de escalão 2, tipo Xiamen para Melbourne e Chongqing para Auckland.

2017 será certamente mais um ano entusiasmante no que toca à indústria do turismo. Os preços de petróleo baixos quase garantem que os preços de voos em classe económica se manterão estáveis para a maioria dos mercados globais, e embora esteja previsto um aumento global de 1-3% nos preços de hotel até 2017, pelo menos não é um aumento exorbitante.

Agora que já sabes no que é que te vais meter para o ano que vem, podes começar a planear a tua próxima viagem. Até te damos uma ajudinha com as malas e a encontrar o alojamento perfeito.